África do Sul goleia Comores, hat-trick de Neshamba anima Zimbabwe e Malawi bate Madagáscar

A Selecção Sénior Feminina de Futebol do Zimbabwe teve uma estreia auspiciosa, ao vencer, ontem, no Estádio Wolfson, na cidade Portuária de Port Elizabeth, a sua congénere de Angola por 4-1,  na jornada inaugural do Grupo “C”, referente ao Campeonato Sénior Feminino do Conselho das Associações de Futebol da África Austral (COSAFA), que arrancou hoje devendo terminar  no dia 11 de Agosto.

Com um hat-trick de Rudo Neshamba (19´, 45´e 59´)  o Malawi abriu o activo a passagem do minuto dois por intermédio de Emmaculate Msipa.  Por sua vez, a selecção angolana marcou o tento de honra por Cristina Mukua (45´+1).

Quem também entrou com o pé direito nesta edição, foi o Malawi que venceu de forma suada a sua congénere de Madagáscar por 2-0 (Salomie 81´; Kapanda 87´), no desafio referente a primeira jornada do Grupo “A”.  A encerrar a jornada e a contar para o mesmo grupo, a África do Sul  iniciou a defesa do título impondo uma goleada histórica e humilhante a frágil selecção das Comores por 17-0!

Na próxima jornada o Zimbabwe irá cruzar com a sua congénere de Moçambique, no dia 2 de Agosto, em Wolfson Stadium, as 12:45 horas, enquanto Angola recebe o Eswatini, no dia seguinte, no mesmo campo.

O dia de amanhã está reservado aos jogos das equipas que compõem o Grupo “B”. A Zâmbia enfrentará as Maurícias, no Wolfson Stadium as 12:45 horas, para depois a Namíbia medir forças com o Botswana . A anteceder  esses jogos, Moçambique e Eswatini irão digladiar-se, no mesmo local, naquele que será o desfecho da primeira jornada do Grupo “C”.

Zimbabwe passeia a classe

Uma entrada demolidora da equipa treinada por Sitheehelelwe Sibanda, permitiu com que a formação zimbabueana inaugurasse o marcador ainda na alvorada da contenda.  Emmaculate Msipa, meio-campista a evoluir no  Black Rhinos do Zimbabwe, aproveitou-se de uma brecha deixada pela defensiva angolana abrindo o activo a passagem do minuto dois.

Com uma forte pressão a ser exercida no meio-campo angolano, a equipa do Zimbabwe dilatou o score  marcando o segundo golo da partida aos 19 minutos por Rudo Neshamba, a mesma que foi responsável pelo terceiro golo ao cair do pano da primeira etapa. Quando já se jogava o primeiro minuto de compensação atribuídos pela juíza das Maurícias, Maria Rivet a selecção de Angola minimiza os danos marcando o golo de consolação (45´+1) por intermédio de Cristina Makua.

À entrada para a segunda etapa, o Zimbabwe apenas passeou a sua classe. A inevitável Neshamba, autora dos dois golos acabou sendo a heroína do desafio ao apontar o seu terceiro golo aos 59 minutos. Um resultado que não deixou nenhuma margem de dúvidas, que o Zimbabwe foi superior em todos os sentidos.

Anotar que na sua terceira aparição a selecção de Angola, na condição de anfitriã, sagrou-se vice-campeã desta competição quando a província  de Malanje acolheu esta prova, em 2008. Mas,  antes, na primeira na sua primeira aparição, em 2006, na Zâmbia, as representantes angolanas não foram para além da fase de grupos. Lurdes Lutonda é a timoneira da equipa angolana. 

She flames“queimam” Madagáscar

Não foi apenas o sucesso demonstrado pela selecção sénior masculina, no Campeonato Africano das Nações (CAN) havido no Egipto no mês passado, que Madagáscar surpreendeu o mundo e África em particular ao garantir a passagem para os quartos-de-final, nesta competição. A selecção feminina, que na edição passada não foi para além da fase de grupos terminando o seu percurso com apenas um (1) ponto, fruto de duas derrotas em um empate, entrou no seu primeiro jogo destemida e disposta a lutar pela vitória

As representantes insulares assumiram o jogo de peito feito construindo jogadas de ataque de cortar a respiração travando uma forte batalha na disputa pela bola na zona do meio-campo. Contudo,  as insulares aguentaram até o minuto 80, pois aos 81 Vinkhumbo Salomie anulou o esforço contrário marcando o primeiro golo para as She Flames, nome de guerra da selecção do Malawi.  Sete minutos depois Zainab Kapanda encerra as contas marcando o segundo e último golo da partida a dois minutos do fim do jogo.

O certo é que Madagáscar veio provar que o futebol praticado neste pequeno pedaço de terra, localizado ao longo do Oceano Índico, com uma extensão territorial de587.041 km² e uma população de 19.625.030 habitantesestá em crescendo.

África do Sul enche o saco

Foi de resto, uma goleada retumbante e histórica para as campeãs em título e, uma tarde de má memória para as Comores que se estreia com o pior dos pesadelos.  As sul-africanas saíram ao intervalo vencendo a estreante Comores por claros 6-0. Refiloe Jane  destacou-se com quatro golos na sua autoria,  sendo que a sua colega de equipa Hildah Magaia apontou quatro. O resto foi festa.

A África do Sul venceu o Campeonato Feminino da COSAFA em quatro ocasiões – 2002, 2006, 2008, 2017 e 2018. Elas também estiveram na final em 2011, mas perderam para as anfitriãs do Zimbabwe.

As “filhas de Madiba” (Nelsno Mandela)  conquistaram o seu primeiro título em 2002, após levarem de vencida o Zimbabwe por 2 – 1 na final, tendo vencido de seguida  os cinco jogos, marcando 36 golos na prova.  Isso incluiu as retumbantes vitórias sobre o Botswana (14-0) e Moçambique (13-0) na fase de grupos.

As treinadas de Desiree Ellis, técnica da África do Sul tem a espinhosa missão de não deixar escapar o título das suas mãos, algo difícil mas não impossível.  Até porque a sua participação no Campeonato Mundial realizado na França este ano não foi o dos melhores.

 

Please follow and like us: